RD Cultural

Notícias sobre o mundo do Rock, shows e eventos nacionais e internacionais

10 discos de rock lançados em 2015 para se ter em casa

Para adicionar na sua estante os imperdíveis lançamentos deste ano

midiorama1-920x625

O ano de 2015 já está chegando ao fim e está na hora de renovar a sua coleção de discos em casa. Abaixo segue uma sugestão com dez discos imperdíveis lançados esse ano no mundo do rock internacional. Veja bem, isto não é bem uma lista de melhores do ano, e sim, uma lista de discos legais para incluir na estante – nem que seja para compartilhar com os amigos, colocar para tocar e dançar acompanhado(a) ou ouvir enquanto cumpre as obrigações do dia-a-dia.

Entre medalhões e nomes que estão surgindo no atual cenário, segue em ordem de preferência da casa, os discos que você precisa ter na sua prateleira o quanto antes.

1-FAITH NO MORE (Sol Invictus)

O primeiro disco do grupo, em dezoito anos, foi uma prova de que eles não mudaram tanto desde a sua última reunião em estúdio. Honesto e cheio de boas ideias, “Sol Invictus” consegue ser nostálgico (“Superhero“) e exótico (“Black Friday“) na medida. Mesmo sem o peso que marcou a carreira em álbuns consagrados, sobraram melodias particulares e habilidade vocal de Mike Patton.

2-GHOST (Meliora)

O título do disco vem do latim e significa “melhor”. Nada mais apropriado, já que o álbum está degraus acima de Opious Eponymous (2010) e Infestissumam(2013). Para os antigos fãs, há a manutenção da proposta e de algumas fórmulas. Só que “Meliora” traz músicas muito mais elaboradas. Uma delas é “Majesty”, um hard rock clássico 70’s com riffs e solos de arrepiar.

3-IRON MAIDEN (The Book Of Souls)

The Book Of Souls” não está relegado apenas ao título de “disco mais longo da história do Iron Maiden”. O álbum pode ser visto de duas formas distintas, porém, ambas desaguam na mais pura e límpida fonte que existe dentro do heavy metal.
Para os fãs antigos, um resgate saudosista. Já para os mais jovens, uma inserção histórica! Ouça a épica “Empire Of The Clouds” e entenda.

4-MARILYN MANSON (The Pale Emperor)

Seguindo a tendência de seus últimos discos, há flertes eletrônicos, mas em uma quantidade bem menor. A temática de Manson nesse surpreendente trabalho é o blues, que vem sombrio, climático e cheio de levadas para cima. “The Pale Emperor” é Marilyn Manson revestido de rock sofisticado. É disco para se ouvir em becos enfumaçados e festas particulares.

5-EAGLES OF DEATH METAL (Zipper Down)

A fanfarronice não tem fim. E se vier acompanhada de música boa, melhor ainda. É mais ou menos esta ideia que move a dupla Josh Homme (Queens of the Stone Age) e o jornalista e músico californiano Jesse Hughes, que formaram o EODM. Aos desavisados, um aviso: não há nada de death metal em Zipper Down. É puro rock californiano, animado, sujinho e safadinho.

6-NOEL GALLAGHER’S (Chasing Yesterdays)Levou quatro anos para que Noel lançasse um novo trabalho solo. Valeu a pena esperar! Chasing Yesterday não é uma ruptura de estilo, e sim uma continuação, mas ciente de que mudanças podem ser bem-vindas. Neste álbum, Noel supera seu primeiro disco e mostra ambição em músicas como “The Mexican” – com o seu riffs stoner-rock-  e a guitarreira de “Lock All The Doors“.

7-BLUR (The Magic Whip)

Mesmo pouco preocupado em seguir o britpop, “The Magic Whip” traz a mesma pegada que marcou o som do Blur nos anos 90 – fato comprovado nas ótimas faixas “Go Out” e “Lonesome Street“. No entanto, o longo tempo sem gravar serviu para dar ao grupo confiança em experimentar novas influências, como ruídos e sintetizadores. Fugindo do pop fácil, eles acertaram em cheio com esse ótimo registro.

8-SLAYER (Repentless)

Despedida? Que nada! “Repentless” é uma pancada no ouvido! A capa até causa polêmica em alguns mais religiosos, mas nada perto do violento vídeo clipe da faixa-título. Embora Kerry King mostre palhetadas alternadas e melódicas em algumas passagens, Tom Araya continua uivando como um cão raivoso. Esse disco é a prova de que o trash metal melhora com a idade.

9-SLEATER-KINNEY (No Cities To love)

No Cities To Love” traz a sonoridade característica do Sleater-Kinney – mesclando surf music, punk rock e new wave com letras engajadas. Muito mais enérgico e para cima do que seu antecessor, este disco desenvolve arranjos firmes e fortes em músicas como “Hey Darling“, “Price Tag“, “A New Wave” e a faixa título “No Cities To love”.

10-ROYAL THUNDER (Croocked Doors)

O segundo disco do Royal Thunder apresenta uma nova leitura do que foi o hard rock 70’s.  Selvagem, sombrio e com alguns elementos mais modernos, “Croocked Doors” é um perfeito contraste do metal psicodélico com a voz marcante de Mlny Parsonz. A vocalista brilha em canções fortes como “Forget You” e “The Line“. Uma grata surpresa aos amantes do gênero.

 

Por Bruno Eduardo, Rock On Board

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

RSS Feed desconhecido

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

RSS Feed desconhecido

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
%d blogueiros gostam disto: